Keiroo-No-Hi, Dia de Celebrar a Longevidade e Gratidão Pela Contribuição dos Idosos à Sociedade

Nesse dia os japoneses oram pela longevidade dos seus familiares idosos e os agradecem pelas contribuições feitas à sociedade ao longo de suas vidas.

Esta data teve origem em 1947, em um vilarejo da província de Hyogo. A denominação inicial era “Toshiyori no Hi” (“Dia do Idoso”), e a data original era 15 de setembro. O propósito da data era “valorizar os idosos, usando seu conhecimento e sabedoria para desenvolver o vilarejo”.

●A partir de 1950 a data passou a ser comemorada em todas as localidades da província de Hyogo e posteriormente foi adotada por todas as províncias do Japão.

●Em 1964 a denominação japonesa “Toshiyori no Hi” foi alterada para “Roujin no Hi” (ambas têm o mesmo significado, mas “Roujin no Hi” é um termo mais formal).

●Em 1966 a data foi estabelecida oficialmente como feriado nacional, e o nome mudou para “Keirou-no-Hi” (“Dia de Respeito ao Idoso”).

●A partir de 2003, o “Keirou-no-Hi” passou a ser comemorado na terceira segunda-feira de setembro. O propósito atual da data é “demonstrar afeto e respeito aos mais velhos e celebrar a longevidade”.

No Japão KEIROO-NO-HI é feriado nacional (calendário vermelho). Os órgãos públicos, governamentais e administrativos estarão fechados, ou seja, Prefeituras, Consulados, Imigração, Bancos, Correios, Escolas, Hospitais, etc.

Algumas curiosidades sobre idosos no Japão

Premiação dos longevos >Todo ano o governo japonês homenageia os cidadãos que completam 100 anos de idade. Em setembro, eles são convocados para o Hakusai-Shosho, a premiação dos longevos, na qual recebem um troféu – uma taça de prata para saquê.

●Em 1963, quando a festa foi realizada pela primeira vez, 153 cidadãos tornaram-se centenários. A prática de uma alimentação saudável, aliada a exercícios físicos tem deixado os japoneses na lista dos mais longevos. Atualmente cerca de 50 mil japoneses tem 100 anos ou mais.

Número de idosos – Em 2012, mais de 30 milhões de habitantes registrados no Japão com idade acima de 65 anos, ou seja 24,1% do total da população. O envelhecimento da população é um dos grandes problemas para o futuro do Japão, um país no qual cerca de 40% de seus cidadãos serão idosos no ano 2060, segundo um estudo oficial divulgado neste ano pelo Instituto Nacional de População e Seguridade Social.

Tradição em celebrar a longevidade – Kanreki – significa “voltar no calendário”, referindo-se ao fato de que os 60 anos marcava o início da velhice e de uma “segunda infância”. Ao comemorar o aniversário de 60 anos, os homens usam o akaboshi (capuz vermelho) e um colete vermelho que era usado antigamente por crianças. É a mais popular das celebrações da longevidade devido ao uso dos característicos acessórios vermelhos e devido ao fato de que atualmente muitos chegam aos 60 anos de idade com boa saúde.

Outras celebrações da longevidade: ●70 anos – KOKI IWAI ●77 anos – KIJU IWAI ●80 anos – SANJU IWAI ●88 anos – BEIJU IWAI ou YONE NO IWAI ●90 anos – SOTSUJU IWAI ●99 anos – HAKUJU IWAI ●100 anos - MOMOJU IWAI

 

Fraudas – O envelhecimento da população japonesa cria alguns fenômenos interessantes. O jornal Nikkei noticiou em 11/7/2013: a venda de fraldas para idosos e adultos é duas vezes e meia maior do que a venda de fraldas para bebês na terra do Sol Nascente. O mercado de fraldas para adultos cresce de 6% a 10% ao ano, movimentando R$ 3 bilhões todo ano. Os idosos já são 24% da população nipônica, estimada em 130 milhões de pessoas.

 

Bicicletas – Muitas empresas desenvolvem modelos de bicicletas com materiais mais leves e com motor elétrico para ajudar os idosos a subir ladeiras e reduzir a velocidade nas descidas, exigindo menos força das pernas na hora de pedalar mesmo em superfícies planas.

 

Celulares – A Docomo, operadora de telefonia celular líder do setor no Japão, fez um grande sucesso ao lançar aparelhos desenhados especificamente para idosos, como a série de smartphones “Raku-Raku” (cuja tradução em japonês é “cômodo” e “fácil”), que conta com tela táctil e ícones simples e muito mais visíveis.

 

Robôs de assistência – Um dos setores que mais evoluiu foi o tecnológico, principalmente o mercado dos robôs de assistência, um campo que deverá crescer nos próximos 25 anos até os 4,9 trilhões de ienes (cerca de 47,7 bilhões de euros).
●Robôs de limpeza doméstica, “animais de estimação” terapêuticos e capazes de interagir com seu dono e trajes robóticos para melhorar a mobilidade são alguns dos principais produtos destinados à terceira idade japonesa.

●O governo japonês está subsidiando dois terço dos custos das pesquisas para as seguintes funções destes robôs: assistir a locomoção de idosos ou outros doentes, ajudar os pacientes a utilizarem a toalete, assistir os cuidadores no levantamento dos pacientes para cuidar deles, monitoramento de pacientes esclerosados.

 

Trabalho – Enquanto os governos europeus lutam para convencer seus eleitores a trabalhar mais durante a vida, o Japão enfrenta o problema oposto: como atender aos desejos de um exército de trabalhadores idosos cheios de disposição.

●Manter os trabalhadores idosos ativos poderá representar uma economia nos custos com saúde. Nagano, uma cidade no centro do Japão, tem a maior proporção de trabalhadores idosos entre todas as prefeituras do país e seus idosos gastam menos com saúde, segundo um documento divulgado em 2007 pelo Ministério da Saúde japonês.

 

Helper, trabalho de assistência ao idoso – O trabalho de home helper tem três frentes: o auxílio no tratamento de saúde, o trabalho da casa e a orientação. Ou seja, respectivamente, cuida do idoso/doente no dia a dia, ajuda-o em sua própria casa e incentiva-o a ter uma vida o mais independente possível. Por outro lado, o kaigo fukushishi , no Japão, trabalha auxiliando idosos e doentes não só em suas casas como também em asilos, casas de saúde e hospitais.

 

Domicilios – O número de domicílios com idosos no Japão atingiu um recorde de 10,241 milhões em 2012, segundo o Ministério do Trabalho, Saúde e Bem-Estar Social, diz a agência de notícias Kyodo. O valor é equivalente a 21,3% de todas as famílias no Japão.

●Este tipo de casa é composta de pessoas com 65 anos ou mais, e inclui aqueles que vivem sozinhos ou com crianças de até 17 anos. Aqueles que são compostas por casais de idosos que vivem sozinhos somaram 5,017 milhões, quase a metade. Cerca de 3,5 milhões de mulheres e 1,4 milhões de homens com 65 anos ou mais vivem sozinhos

Leitura Recomendada

Leia mais: http://longevidade-silvia.blogspot.com/2010/04/o-olhar-ao-idoso-no-japao-e-na-china.html#ixzz2ekH7AMAZ -FONTE www.culturajaponesa.com.br

Gostou deste artigo? Compartilhe com os amigos!

Compar tilhe!
Clique aqui para deixar um comentário 0 comentários