Governo Alerta Sobre Aumento de Casos de Gripe Influenza – Conheça Sintomas e Tratamento

O governo japonês vem alertando a população para o aumento dos casos de contágio pela gripe Influenza A em todo o país e pede para que os cuidados para evitar a propagação da gripe sejam observados. Para evitar o vírus deve-se usar máscara, lavar as mãos ao chegar em casa ou no trabalho e fazer gargarejo.

Informações recentes

Na sexta feira, dia 18/01/2013, a IPCTV divulgou no Facebook a informação de que só na segunda semana de janeiro (de 7 a 13/01) foram registrados 800 mil casos, principalmente na região de Kanto.  O vírus mais comum é o do tipo A (86%)(mais conhecida como gripe suína, que se propagou na primavera de 2009).

No dia 16/01, quarta feira, a NHK divulgou que a província de Aichi emitiu um alerta contra a influenza, devido ao aumento no número de pacientes na região. Segundo a província de Aichi, até o dia 13 deste mês, em um período de uma semana, o número de casos de influenza por instituição médica, relatados na área sob jurisdição do Centro de Saúde de Handa, chegou a 30,33, (média de paciente por hospital) em um aumento repentino em relação a 6,17 registrados na semana anterior, ultrapassando a marca dos 30, que corresponde ao nível para a emissão de alerta.

O governo de Aichi decidiu emitir o alerta contra a influenza prevendo uma possível elevação repentina no número de pacientes em outras áreas da província. Aulas estão também sendo canceladas nas escolas primárias e colegiais da região.

O governo japonês vem alertando a população para o aumento dos casos de contágio pela gripe influenza em todo o país e pede para que os cuidados para evitar a propagação da gripe sejam observados. Está pedindo às pessoas que evitem aglomerações, e lavem as mãos e façam gargarejo ao voltar para casa. E ainda, se houver suspeita de influenza, pede para consultar o médico o quanto antes, usando máscara e tomando cuidado para não alastrar o vírus da doença.

Influenza, sintomas, dor de cabeça, olhos vermelhos, frieira, febre acima de 38C, dor muscular, dor nas juntas, mal estar. Blog Isto é Japão!

Sintomas da influenza 【症状 shoujou】

Febre repentina e tosse, dor de garganta, astenia (fraqueza), febre acima de 38ºC
Inclusive podem aparecer sintomas como, coriza e constipação nasal, cefaleia, dor muscular, dor nas juntas, etc

Entretanto, uma parte dos pacientes sofre de também de náuseas, diarreia e outras manifestações gastrointestinais.  Esses são os sintomas que diferem da influenza sazonal.
A maioria das pessoas recupera-se em alguns dias, apresentando somente sintomas leves.
Porém, como essa doença pode se agravar em algumas pessoas, tome as precauções necessárias. A doença pode se agravar em pessoas que sofrem de diabetes, asma e outras doenças crônicas, inclusive em gestantes, crianças  pequenas e pessoas idosas.

As pessoas com os seguintes sintomas devem se consultar imediatamente.

Crianças
Respiração rápida, dificuldade de respiração
Rosto pálido e má coloração
Vômitos e diarreia persistentes
Irritação, falta de ludicidade e reflexos lentos
Persistência e agravamento dos sintomas
Adultos
Dificuldade de respiração ou falta de ar
Dores persistentes no peito
Vômitos e diarreia persistentes
Febre que persiste por mais de três dias
Persistência e agravamento dos sintomas

Meios de contágio:

Para prevenir a doença, deverá compreender como a influenza é transmitida de pessoa a pessoa. Existem dois principais meios de contágio da influenza

(1) Infecção por gotículas
Contágio através de inalação de gotículas expelidas durante os espirros e tosses de pessoas infectadas. As pessoas num raio de cerca de 2m do espirro e/ou tosse tem alta probabilidade de se contagiar.
(2) Infecção por contato direto
Contágio através de contato direto das mãos ou através de maçanetas, corrimões e outras superfícies impregnadas de secreções contaminadas com vírus.

Porém, o contágio não acontece apenas pela impregnação do vírus nas mãos. O contágio se dá no momento que toque a boca, nariz e olhos com as mãos impregnadas de vírus. Por isso, lave as mãos frequentemente e assim reduzirá o risco de contágio através de contato direto.

Formas de prevenção:

Ao tossir ou espirrar sem o uso de máscaras, poderá contaminar outras pessoas a sua volta, pela inalação das secreções. Por isso, na época ou região de epidemia, evite aglomerações de pessoas.

Nos supermercados, trens ou outros lugares públicos, como não se sabe onde os vírus podem estar impregnados, é importante que lave as mãos sempre que regressar à casa. Diligentemente, lave as mãos antes de preparar as refeições ou antes de qualquer serviço.

Quando for lavar as mãos, use sabão e lave inclusive o espaço entre os dedos e os pulsos, durante no mínimo uns 15 segundos. Depois, enxague as mãos com uma toalha limpa.

Pessoas potencialmente vulneráveis ao surgimento de complicações graves:

Gestantes, crianças, idosos, portadores de doenças respiratórias crônicas, doenças cardíacas crônicas, doenças imunossupressoras (diabetes, etc.), insuficiência renal, imunodeficiência (uso de corticosteróides sistêmicos, etc.) e outras pessoas diagnosticadas clinicamente como altamente vulneráveis, tendo em vista o histórico e as condições do tratamento.

Precauções para o tratamento e repouso em casa.

Se alguém da casa for contaminado, é difícil evitar por completo o contágio para outras pessoas da casa. Entretanto, tome as medidas abaixo para minimizar a possibilidade de se contagiar:

    • Siga as instruções do médico e controle a medicação conforme orientação recebida. Não use outros remédios por conta.
    • Lavar as mãos sempre que cuidar do doente.
    • Crianças contaminadas necessitam de cuidados frequentes mas, restrinja o contato de familiares portadores de doenças crônicas e gestantes com o doente, de preferência, separando-os do quarto do doente para evitar o contágio.
    • Se a pessoa que for cuidar do doente tiver uma doença crônica ou estiver grávida, consulte o médico responsável, por precaução. Dependendo do caso, o médico receitará remédios profiláticos.
    • A princípio, o doente deve usar máscara. A pessoa encarregada de cuidá-lo, apesar de não evitar completamente o contágio apenas com o uso de máscara, é recomendável que a use.
    • As louças e roupas usadas pelo doente podem ser desinfetadas através da lavagem e secagem normal.
  • Saída após a recuperaçãoMesmo que a febre passe, o potencial de contágio da influenza permanece, podendo contaminar outras pessoas. A transmissibilidade da doença é diferente de pessoa para pessoa e não se sabe exatamente quando uma pessoa perde completamente o potencial de transmitir a doença. No mínimo, evite sair de casa por um período de dois dias após o desaparecimento da febre.

Fonte: Governo de Aichi, The Japanese Respiratory Society

Gostou deste artigo? Compartilhe com os amigos!

Compar tilhe!
Clique aqui para deixar um comentário 0 comentários