2

Prevenção de Suicídio – Onde os Brasileiros no Japão Podem Encontrar Ajuda em Português

Fique atento às alterações de comportamento por parte de colegas de trabalho, membros da família e outras pessoas ao seu redor.

Se notar algo diferente, procure conversar com as pessoas, respeitando os seus sentimentos e escutando o que elas têm a dizer.

Caso identifique sinais de depressão, incentive a pessoa a consultar logo um especialista. Seja caloroso e procure estar próximo nos momentos de necessidade.

Dados da Wikipedia sobre suicidios no Japão

O Japão tem a mais alta taxa de suicídio do mundo desenvolvido (24,1 por 100.000 habitantes). Os suicídios atingiram o número recorde de 34.427 em 2003. Geralmente empresários e funcionários, comentem suicídios motivados por escândalos de corrupção ou perda de dignidade na sociedade.

No ano de 2008 o suicídio entre jovens bateu novo recorde no Japão, tendo alcançado 4.850 mortes , 1,7% a mais que no ano anterior, informou a polícia japonesa. Mesmo com este aumento, em 2008, 32 249 pessoas se mataram no Japão, uma baixa de 2,6% em com relação aos números de 2007.

A taxa de suicídios foi, no ano de 2008, de 25,3 para cada 100 mil habitantes, o que coloca o Japão entre os dez países do mundo com mais casos. O suicídio é a sexta maior causa de morte no Japão, onde não está associado a um tabu social.

O IPC divulgou um artigo de Silvia Kikuchi em março de 2006 que explica porque os japoneses tem alto índice de suicídio….

Segundo a Organização Mundial de Saúde, um milhão de pessoas se suicidam todos os anos. Dentre os países desenvolvidos, o Japão é o que apresenta a maior taxa. Na era Showa (1926~1989) chegou a ocupar o primeiro lugar nesse ranking e mais tarde ficou conhecido como “Reino dos Suicídios” (Jisatsu Ookoku).

Na maioria dos países do ocidente, onde predomina o cristianismo, o suicídio é considerado um ato negativo e contra os ensinamentos religiosos.

O Japão, por outro lado, viveu um período em sua história em que o suicídio era até glorificado, como em casos de haraquiri (cortar o ventre a faca ou a sabre) ou os camicases (do japonês “vento divino”, se refere aos pilotos treinados para desferir ataques suicidas contra alvos inimigos). A dedicação e a fidelidade ao Imperador podem não ter o mesmo sentido hoje, mas devido a esse passado, o suicídio não desperta um sentimento de culpa tão forte como entre os ocidentais.

Depois do terremoto de 11 de março de 2011

divulgado no Jornal de Negócios:

A 11 de Março do ano passado o Japão foi devastado por um sismo e um tsunami que resultaram, depois, num acidente com uma central nuclear. O número de suicídios aumentou desde então.

O número de suicídios no Japão aumentou significativamente após o sismo e “tsunami” que devastaram a região noroeste do território, a 11 de Março de 2011.

Só no mês de Maio de 2011, 3.375 pessoas cometeram suicídio no Japão, mais de um décimo do total anual e mais 20% face ao mês homólogo de 2010. No total, foram registados 30.651 suicídios no Japão durante 2011.

“Um sentimento de ansiedade espalhou-se no seio da sociedade japonesa após a catástrofe e suspeitamos que este sentimento possa ter sido um factor de agravamento”, declarou um responsável do governo nipónico.

O mesmo representante acrescentou que os casos de suicídios foram particularmente elevados entre homens com cerca de 30 anos.

 

Março – Mês da Prevenção do Suicídio
No Japão o ano fiscal e o ano letivo termina no fim de março.
Esse período pode gerar bastante insegurança e tensão nas pessoas, por conta da mudança para outro posto de trabalho ou então pelo encerramento de contratos de trabalho. Também é a época onde os formandos que não conseguiram colocação de trabalho, estão angustiados. Assim, este mês é o período com a maior incidência de suicídios no Japão.
Para fazer frente a esse problema, o mês de março é também o mês da prevenção do suicídio.

Como podemos ajudar a reduzir o número de suicidios entre brasileiros no Japão

 

SOS dos suicidas
– 
Comentam que querem morrer

– Praticam atitudes prejudiciais para si mesmos
– Se preparam para uma despedida
– Cometem atos perigosos
– Exageram no consumo do álcool ou outras drogas
– Alteram repentinamente o comportamento

Muitas pessoas acreditam que o suicídio é um ato repentino. Na verdade não é bem assim. As investigações mostram que os familiares haviam notado pequenas mudanças de comportamento antes das pessoas se suicidarem.

O processo: estresse – estado depressivo – vontade de morrer

 A depressão é um “transtorno emocional” que pode atingir qualquer pessoa, mas tem cura. Uma pessoa nesse estado tende a se fechar cada vez mais para o contato social. Quando os amigos ou familiares perceberem esses sinais, devem procurar ajuda profissional.

Onde procurar ajuda para os brasileiros no Japão

A Revista Alternativa, edição 304 de 14 de março de 2013, traz um artigo muito interessante:
Prontos para ajudar. Você conhece os serviços gratuitos e em português oferecidos pelo governo e NPOs?
Você sabia que no Japão existem 382 associações internacionais de assistência aos estrangeiros? Na província de Shizyoka, por exemplo, são 23 órgãos oficiais em diversas cidades, dos quais 20 contam com atendimento em português.
Quem tiver oportunidade, recomendo esta leitura do artigo da Revista Alternativa. Divulgaremos algumas entidades citadas no referido artigo:

LAL Linha de Apoio ao Latinos

Ajuda brasileiros e latinos que precisam de apoio psicológico.
O atendimento é realizado por telefone.
Todas as ligações são confidenciais, anônimas e gratuitas.
Quarta-feira das 10h às 21h
Sábado das 12h às 21h
Tel 0120-66-2488 ou 045-336-2488
Site: http://www.lal-yokohama.org/LAL-por.htm

Linha da Vida (Hamamatsu)

Atendimento psicológico em português
Sexta feira das 19h30m às 21h30m

SABJA – Serviço de Assistência aos Brasileiros no Japão

Atendimento telefônico para esclarecer e orientar sobre problemas relacionados ao dia-a-dia, saúde, educação, trabalho, documentação, entre outros.
Equipe de voluntários composta de médicos, psicólogos, conselheiros.
Disk Sabja de segunda a sexta das 10h `as 16h
Aconselhamento psicológico e médico: 050-6860-4210
homepage http://nposabja.org

NIC – Nagoya International Center

Orientações sobre trabalho, educação, aulas de nihongo e aconselhamento pessoal por psicólogos
Atendimento em português de terça-feira a domingo, das 10h às 12h e das 13h às 17h
Tel 052-581-010 e-mail [email protected]
Homepage http://www.nic-nagoya.or.jp/portugues/po/index.php

HICE -Fundação para Comunicação e Intercâmbio Internacional de Hamamatsu

Consultoria para esclarecer dúvidas do dia-a-dia, consulta jurídica gratuita, curso de idiomas, consultas psicológicas com profissional brasileiro,etc.
Atendimento de segunda a domingo das 9h às 17h30m
Telefone 053-458-2170 E-mail: [email protected]
homepage http://www.hi-hice.jp/HICEpo/index.php

NPO Criativos

Centro de Referência e Suporte em HIV/Aids
Atendimento segunda-feira das 14h às 18h em português e espanhol
tel 045-451-1211
Atendimento quinta-feira das 13h às 17h em português e espanhol
tel 03-3369-7110
homepage http://www.npocriativos.jpn.org/

SAB – Associação Amigos do Brasil

Sede em Minokamo, Gifu. Cursos online, central de empregos,educação
Tel 0574-25-9750 ou 080-3670-6690
Homepage http://braziltomonokai.com/

Onde encontrar ajuda?

Procure a prefeitura ou associação internacional local. Geralmente há informações sobre os serviços oferecidos aos moradores estrangeiros. Fique de olho também na agenda de serviços e telefones úteis publicada na Alternativa e na Alternativa Online, onde são divulgados sempre o trabalho das NPOs e demais entidades que ajudam os brasileiros no Japão.

Leitura recomendada: Ajude a valorizar a Vida! Prevenção contra suicídios e depressão dos brasileiros no Japão! O artigo fala sobre os tipos de depressão. Ações para ter qualidade de vida. O que fazer no momento da tentativa ou a pessoa esteja pensando em suicídio.

Fonte: Alternativa, IPCWikipedia

Gostou deste artigo? Compartilhe com os amigos!

Compar tilhe!
Clique aqui para deixar um comentário 2 comentários